quarta-feira, 26 de agosto de 2015

When goobyes stab you in the back

The fire spreads while you touch me
gently
I know your lies, and i've known
all of them
for years
six years or so
i can see your odd blinking &
i can hear your trembling voice
when you say
you have to go back home
or to go back to your
stuff
with has nothing to do with me
and it's okay to try to protect
someone who's been hurting for
more than two decades
but it's not fair
to treat this person
as someone who's as weak & innocent
as a kid
that wouldn't know how to handle
the truth
i can be hurt & i know how to hurt people
and it can be dangerous
because i know where to put the
sharp words & leave no traces behind
but you're not me
and your lies have been as sharp
as my own words when used as a weapon
but i don't know if these
wounds will heal anytime soon
unlike when i am the one
who inflicts them myself
because i don't care if they will heal
because i wanted the pain
because i longed for the wound
to be open & reopened
as time passed by
but your lies are like a razorblade
slipping back & forth
through the same wound
you've inflicted on me
many years ago.

domingo, 2 de agosto de 2015

Dead pearls

How to fix
a damaged soul
when its shell
has no longer
a will
to live?

Six word story #38

        Her corpse, his heart;
        forever united.

Six word story #37

        Her abyss swallowed him whole,
        gladly.

Six word story #36

        He grabbed her cold hands; gone.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Maybe she won't make it home tonight

Once i had a heart and
i played with it and
i molded it
into something that
people
just put in their
freezers
to lock 'em away
cold as ice
but how can
a heart
ever be useful again
if its insides
are frozen?

(i'm sorry for that,
sometimes i even do it myself
right before someone could do it
so i won't feel bad
for their decisions
so i won't be able to right
my wrongs
when i'm as shallow
as a your glass of wine
standing still on
my table
staining my woods
and my insides,
i'm sorry) 

sábado, 27 de junho de 2015

About those times when i'm nothing but a shadow in the mirror

It's hard to see
through bloodstained glasses
but when your mind
acts like one
you just can't get away
with being dirty
with your own blood
but then comes a time when
what happens
is exactly what you once
tried to escape from
your hands get dirty
and your bedsheets become
bloodstained
as much as your mind
but you can't help it
because while you're
purging away all these
dirty thoughts
in a toilet,
flushing them away like they
were just an amount
of nothing inside of your body,
the blood keeps on
dripping off your limbs
staining the once
bright white
ceramic
that now is no longer
so beautiful
because it weighs
so much more
than anything else
in the world
and it's even more disgusting
when you think
that this only happened
because of you
with your help
with all those sneaky midnight walks
to the bathroom floor
to stain that room
with no mercy
to stain your body
with no mercy
in order to become something
greater
that only exists inside
your mind & inside that mirror
which insists in showing you
a dirty & blurry truth
that holds a grip inside you
and leads you to a cave
you dig on your own.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Inbetweens

        Frequently I find myself looking at nowhere, feeling like i was drifting away from my body & going somewhere far from the real world. I wouldn't say it's like I was trying to escape from some situations in my life because I don't do it on purpose, it just happens so subtly like a glance out of the window, and what I see out there is my way to go, while my body is still stuck in the previous place. Sometimes I can even picture myself somewhere different when I enter in this state of mind, and it's not always beautiful or mystical. Sometimes it's like I'm in the woods, or a locked white room which makes me shiver out of anxiety & fear from thinking that maybe I won't be able to leave there anytime soon. Sometimes it's my own place, where I can lay in my bed and forget time & everything else. I can't say I'd prefer being in those places than reality because not all of them are good, tho none of them is anywhere near from being so unbearable as my mind is. But I don't know whether I like being in these inbetween or not. Actually, I don't know if I could even like this, like I wasn't allowed to enjoy this in the first place, just because it's not something natural, I guess. But I do prefer being out of my mind for a few minutes, since I long so deeply to be outside of it forever.

terça-feira, 23 de junho de 2015

About mess & homes

        I live in a mess. My room is always so messy, but I can't help it even if I try to clean it up often, because in the end of the day, even if I do absolutely nothing in there, it will be messy anyway. It matches my mind, and that's me trying to be poetic about it, but it's not. There's a war I battle everyday with myself, I struggle so much that maybe it ends up flowing out through my actions and then it happens with everything & everywhere I'm around. It's like I live in a deep & dark forest on my own, and sometimes I get lost and sometimes I find myself, and it repeats over and over again, but most of the time I just find myself even more lost than the last time, and it should hurt, but it doesn't, it's just so usual for me to be lost between the corners of my ominous mind that I'm just numb about it, even if I still try to find my way back to where I can be safe. And it's nowhere near my head, and this is what hurts, because if I can't be safe inside myself, so where will I be? Making home out of people is pretty much exhausting & not so much trust worthy because they always end up leaving, eventually. And what happens if they take me together, wherever they go? I'll just be lost, over again, and there will be missing parts of me around the world that I don't even know where to start looking for. But maybe I don't need these parts, perhaps I'm supposed to be emptied little by little so maybe I can be filled in with new sort of good things, but these good things are never enough to fulfill a sick body that longs for emptiness in order to fill itself with such gloom & darkness, because once darkness hits you, you can never really get rid of it, and I don't even want to, if you ask me. There are some things in life that we can grow used to, and darkness is one of them. The light in the end of the tunnel will always just be a mischievous train, full of bad thoughts and a heavy atmosphere, almost unbearable. But you know what? I'll always be there, laying down in the tracks, waiting for it to come and pass over me. I don't wish for it to kill me, but someday it will, it's just that I've grew stronger against its weight, but one day I'll no longer be. That's who I am. And the train is coming, again.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Só mais uma

        Pego o pincel e escrevo na tela da vida o poema mais ridículo que já li, em forma de linhas e contornos e volume e expressões, com as cores de um navio naufragado em suas próprias desilusões. Não há nada como uma boa tragédia para alimentar a alma: o sangue que escorre pela tela é o mesmo em que percorre minhas veias, e acredite, eu pintaria isso mil vezes e ainda assim não me cansaria. E, talvez, quando chegasse ao meu limite, eu começasse a usar lágrimas como tinta, assim não desperdiçaria com manchas noturnas no travesseiro ou no colo de alguém tão desamparado quanto eu: mutualidade. A vida se encarrega da ironia de nos deixar a sós com nós mesmos quando encontramos outro alguém que compartilha o mesmo fundo do poço. Mas nunca parece ter fundo, não é mesmo? Como quando acordamos a cada dia desejando que ele já terminasse no instante seguinte, ou como quando nos deparamos com aquela pessoa cansada e solitária tentando fingir um sorriso no espelho: "tá tudo bem, é só mais uma segunda feira." Só mais uma segunda, só mais uma semana, só mais uma vida desperdiçada em poemas e palavras soltas que formam um círculo vicioso que ninguém mais aguenta. E aí, quando você percebe isso, bum, percebe também que parece ter encontrado de fato o fundo desse poço infinito. Mas então toca o alarme: "é só mais uma segunda feira".

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Ode à dimensão onde me encontro cada vez que fujo de mim mesma

         Aquela noite eu acordei me sentindo embriagada. Não de álcool, mas de angústia. Eu não conseguia mover um dedo sem sentir dor em todas as partes do corpo, especialmente a cabeça. Ela era a que mais doía. Você acordou e me notou na minha solidão, mas aquilo era mais do que parecia - a despersonalização já estava presente e, apesar de parecer, eu não estava mais ali. Balbuciei algo quando te ouvi falar, e percebi que saia do quarto dizendo que já voltava. Não volte, eu pensei. Você não vai querer me encontrar aqui dessa maneira. Não volte. Mas volte, eu preciso da tua ajuda. Você se foi e eu me levantei, procurei por seu canivete como um viciado procura por um pouco de pó no meio de sua bagunça, e me joguei no chão gelado. Sangrei e não senti. Eu ainda não estava ali. Quando será que eu voltarei? Pensei. Você ouviu meus pensamentos e chegou até mim, me segurando com força para tirar o canivete de minhas mãos, e o guardou no bolso. Não volte, não volte, não volte. Me ouvi gritar, de repente. Você então colocou o cobertor sobre minhas pernas e me aconchegou em seu abraço. A minha perna fervia e ardia, e no entanto, eu nada sentia. Não volte, pensei. Mas você voltou, e eu agradeci por te ter comigo uma vez mais.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Lost & found

        I went to a pretty and dark forest last night. I started collecting the biggest leaves I could find lying on earth. So I stumbled by this huge tree, with long and thick branches, and decided to sit right below them. They made me feel cozy, like I was in someone's loving arms, and with my eyes closed, they were holding me so carefully & beautifully that I almost couldn't feel its strength bringing me back together, all those tiny shattered pieces I have left over the floor, for all these years. I was like a tree, losing its leaves as the time passes - but I was losing parts of my own, not because they had to leave me, like those leaves, but because I had no strength to hold them back - I was falling apart. And in a sudden, everything seemed fine for a moment. I was now a whole again, not some random lost piece waiting to be found. And while I thought all of it, I could feel my body blending in with the forest, with the vivid deep green, with that strong and old tree. I was now a part of the nature - as I always have been, but just couldn't see it. I was alive, then, and strong.
        Oh, I wish I hadn't woken up.

terça-feira, 28 de abril de 2015

The border line

I wish I was
something more than
what I dare to call
myself
because this body was
never hurt this much
because this mind was
never haunted this much
because those nightmares
once stopped when I 
woke up
but since when I can recall
they last longer than 
twenty four hours
and this is insane
am I this insane?
that doctor says I don't look that ill
the other says I should
go in the psych ward
the other says I'm in the control
while the other one says
the harm on my body means
I'm not the one in charge
any longer
am I insane yet?
I should call 911
but I'm afraid another doctor
will attempt to say what's 
going on 
inside myself
instead of asking me
what I'm feeling for real
or why these injuries are for
or why the empty stomach
keeps growling
won't you eat, my dear?
I say no
won't you take your meds, my dear?
I say why
won't you enjoy your life like a normal human being?
I ask why should I
since im in the border of sanity
way more on the side
of those ones
stuck between four walls
white bedsheets
and treated like kids
who forgot to take their medicines
at home
so now they need a special care
am I insane yet?
I wonder
but no one dares 
to answer.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Equilíbrio

        Me sinto vazia, fria e distante. E ao mesmo tempo eu sinto vontade de chorar, mas nenhuma lágrima cai. Tomo mais um comprimido, talvez dessa vez resolva, eu penso. E mais um, e mais um, e mais um. Talvez dessa vez resolva, eu penso novamente. Talvez resolva, mas não resolveu, e agora eles querem tirar de dentro de mim todos esses comprimidos tóxicos que me mantiveram desacordada por algumas horas, mas se eu pudesse, eu me recusaria, porque eu prefiro estar vagando pelo nada do que vagar pelas memorias de um passado escuro e pensamentos aterrorizantes. Mas eles não entendem, e nunca vão entender. E então eu volto a tomar um comprimido, me equilibrando na corda bamba da sanidade.
        "Talvez dessa vez resolva"Me sinto vazia, fria e distante. E ao mesmo tempo eu sinto vontade de chorar, mas nenhuma lagrima cai. Tomo mais um comprimido, talvez dessa vez resolva, eu penso. E mais um, e mais um, e mais um. Talvez dessa vez resolva, eu penso de novo. Talvez resolva, mas não resolveu, e agora eles querem tirar de dentro de mim todos esses comprimidos tóxicos que me mantiveram desacordada por algumas horas, mas se eu pudesse, eu me recusaria, porque eu prefiro estar vagando pelo nada do que vagar pelas memorias de um passado escuro e pensamentos aterrorizantes. Mas eles não entendem, e nunca vão entender. E então eu volto a tomar um comprimido, me equilibrando na corda bamba da sanidade.
        'Talvez resolva", pensei comigo.

domingo, 19 de abril de 2015

Águas passadas

        Hoje eu sonhei com você novamente. Não sei por qual motivo ou razão consciente, já que não tem feito parte das minhas lembranças diárias como fazia antigamente. Foi um sonho bizarro, como sempre é quando envolve você, e como sabes, gosto de registrá-los. Vou tentar contar-lhe alguns dos detalhes que me vierem a mente.
        Estávamos num sítio, minha família e eu, era meio isolado e bem antigo, aparentemente, e eu fui uma das primeiras a entrar lá e visitar os quartos enquanto os outros admiravam o tamanho da piscina no quintal, principalmente as crianças. Pois então, tudo ocorreu normalmente até o momento em que fui me trocar depois de um banho, e entrei num quarto, e te encontrei. Com o susto, veio um chiado alto, que mais parecia mesmo um chiado do que um grito, que me fez pensar que aquilo era uma miragem. Você estava sentado na cama com sua irmã pequena, a que nunca tive o prazer de conhecer, até esse dia. Só me recordo de sair correndo de volta ao banheiro, deparando-me com minha mãe no corredor, que disse que estava tudo bem, que você estivera ali já fazia alguns dias pois não quis ir embora com os pais, assim como sua irmã. Com o susto, entrei num outro quarto e soltei a toalha que estava presa ao redor de meu corpo com pressa para me vestir, sem reparar que nesse quarto havia mais dois homens estranhos ao meu ver, e foi quando corei de vez e me coloquei de volta no corredor, semi-nua. Minha mãe aparecera mais uma vez, com um sorriso de canto, dizendo que só tinha aqueles dois quartos e que era preferível que eu me vestisse no qual você se apossara, pois era maior e havia beliches. Entrei e vesti-me, sem soltar a toalha do corpo até estar completamente vestida. Seu olhar era tranquilo e respeitoso, então preferi acreditar que não me fitara asperamente enquanto estava ali no canto do quarto - não sei para você, mas essa situação de estar nua ou me despir de forma humilhante na frente de terceiros, em sonhos, é tão péssima quanto comum. - Voltando ao sonho, eu não me recordo de basicamente mais nada que acontecera até o momento em que todos foram para a piscina e eu fiquei deitada num sofá isolado na sala, ao lado do quarto onde você estava.
        Uma pessoa familiar chegara em mim, vestindo um sorriso malicioso nos lábios, e disse algo como: "estamos lá fora esperando vocês. Mas caso queira ficar aqui, ninguém vai incomoda-los também. Estão todos na piscina." Primeiramente eu não entendi o que me fora dito, porém logo ao sair, a pessoa fez um sinal em direção ao quarto ao lado do sofá onde eu estava. Então ficara claro: eles me deixaram ali a sós com ele para que conversássemos sem interrupções. Eu não cheguei a entrar no quarto, porém você saiu de lá duas vezes e apenas na segunda me notara no sofá. Eu estava com os olhos quase fechando quando você os fitou, e eu me perguntava o que diabos estava acontecendo ali. No final, você cochilara em uma das camas da beliche e me disseram que estava a espera de que todos os outros da casa nos deixassem a sós para resolvermos o que tínhamos de resolver. Infelizmente, isso não aconteceu. Todos voltaram da piscina e entraram em casa, fizeram o que tinham de fazer e escutei alguém dizendo que o que você esperava não dera certo, e no lugar de aproveitar o dia, acabara cochilando, assim como eu.
        O sol já se punha, e eu resolvi caminhar ao redor da piscina, molhando os pés de vez em quando. Minha mente estava confusa, como se me tivessem feito uma lavagem cerebral no dia anterior. Então você apareceu na porta, com a distancia de uma piscina entre nós, correu e se jogou ali dentro. O breve momento me tirou um sorriso, mas o levou embora tão rápido como o trouxe. "Entre aqui, a água está boa. Precisamos conversar." O ar de dúvida cresceu em minha mente, porém me pus a caminhar até a beira da piscina para ver em que é que essa conversa consistia, e sentei ali, na pedra gelada. "O que foi?" - lembro de ter perguntado. - "O que temos de conversar?" Depois de um mergulho, emergiu da água e olhou fixamente pra mim: "sobre o que nunca terminamos de conversar." Eu parecia meio tonta, dispersa demais pra uma conversa naquele instante. "E o que temos ainda para falar sobre se já existe um ponto final nisso tudo? Porque eu vejo claramente um ponto final. Você não vê?" indaguei-o de forma áspera. "Pra mim nunca houve um." E de repente, no sonho, o cenário pareceu desmoronar-se sobre nossas cabeças, trazendo um céu negro.
        Lembro-me de mãos molhadas me puxando para dentro d'água, deixando-me afogar por alguns aterrorizantes segundos, mas no instante seguinte, eu podia respirar, e era uma outra visão completamente diferente ali dentro. Mas na minha mente aparecia uma realidade diferente, como se eu ainda estivesse ali fora, e meu pai amaldiçoando e gritando para que você fosse embora e me deixasse em paz. Era como a realidade fora de um sonho, realmente. Era como ele o faria se te visse de verdade. Não me recordo do que houve após esse momento, devo ter acordado assustada por conta do breve afogamento, mas pouco antes de acordar de vez, parecia sonhar algo completamente diferente de antes, mas não era: estávamos vestidos de forma normal, andando na rua, e na pressa de um ou dois passos, trocamos olhares e tivemos um relance de uma memória passada, como se realmente nos conhecêssemos. Hesitei o terceiro passo, olhei para trás e vi que você acenava, com o olhar de mar aberto, perigoso e pulsante, e o sorriso envergonhado.
        Acordei, e levantei confusa e com uma angústia entalada na garganta como quem quer dizer algo a alguém mas não sabe se deve. Peguei papel e caneta e comecei a rabiscar algo, mas todos eles tiveram o mesmo destino: o lixo. Relembrei cartas, palavras, desejos e outros sonhos, e me perguntei se eles também não deveriam compartilhar o mesmo destino que os papeis. "Melhor não" - pensei - "essas ainda são algumas das coisas boas que devo aceitar guardar em minha memória".
        No fim do dia, tive vontade de lhe falar sobre tudo. Mas alguma coisa impediu-me: provavelmente o balde de água fria de realidade que jorrou em mim, assim como no sonho, enquanto eu mergulhava em memórias de águas passadas.

sábado, 11 de abril de 2015

The last show

             I woke up late at night with the feeling of emptiness taking over my mind. I realized it was more than that, after I sat down in bed and started staring at nowhere in the darkness contemplating the idea of death & no longer being able to be myself in a living point of view. Maybe for months, maybe for years, maybe forever. I sat there wondering how i could possibly fill up the void inside my mind that made me feel like I was already a wandering & lost soul, among the living ones and the deadly atmosphere I was in. When the obsession with death becomes a way of life you realize how much it costs to take a deep breath when you wake up lost inside your own head, knowing that there's no place to go but to follow the dark path the leads you to the depths of the everlasting hurting. And I wonder how will be the grand finale for this dreadful show where I feel I'm no longer the protagonist.

quinta-feira, 12 de março de 2015

Quick

        "She's dead", she thought, while looking in the mirror. "She's dead for a long, long time", she emphasizes. She looked in the mirror one more time, with a low light illuminating the room from a dying candle, and stepped up in the chair. "A long time", she repeats, and then she jumped.
        The rope was too short to be able to give her a quick death. Only three minutes later her face turned purplish from the painful asphyxia. The low light from the candle followed the rhythm, and finally they faded away with her last & vain attempt of breath.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Memories

I've always had
a problem with
erasing something or
someone
from the past
i have a problem
and it's called
feeling deeply
so deep that
it goes to the bottom of
my soul
and carve myself
with words &
feelings
no matter if
it's good or not
I've carried this
burden since I was
a kid
and past two decades
i still feel the same
way
I did
twenty one
years ago
I feel sorry
for my heart &
mind
i know if i could
just erase
some things &
some people
the burden would
be a bit lighter
but i'd still
be who i am
so it wouldn't
change much
I beg to please
let me be someone
else
with a lighter burden &
not so much
memories
to carry
inside my heart.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

O Intruso

        A madrugada era fria. Passava das duas da manhã, apesar de não ter noção disso - passara o dia inteiro a recolher cartas escondidas do fundo falso de uma gaveta, as guardara em uma caixa de sapato velha e pôs-se a escrever. Sem pensar direito nas palavras, pusera no papel todos os pensamentos que lhe pesavam a mente. Parecera, de início, que aquilo lhe traria um alívio imediato. Porém, agora, só parecia pesar-lhe ainda mais. Tinha a seu lado, na mesa, uma garrafa de água cheia até a metade, onde outrora, na mesma manhã, encontrava-se cheia por completo. Ela a tomara a grandes goles sem nem perceber que o fazia, e voltava a escrever. Poemas sem sentido, pelo menos à terceiros olhos, e mais uma vez, cartas, que nunca seriam entregues à seus destinatários. Isso lhe doía as têmporas quando pensava. Por que há eu de escrever cartas que jamais serão entregues? - e respondera a si mesma - Porque as pessoas a quem escrevo já estão mortas. Talvez apenas dentro de minha mente, mas isso já não faz diferença - e apesar de tristemente desejar-lhes a morte em terra, tentava negar a si mesma que jamais o faria em sã consciência. Não o poderia fazer. Como havia de desejar a morte àqueles que um dia, há muito, lhe colocara um sorriso no rosto? Não importava. No fundo, ainda desejava-lhes a morte, talvez por lhe terem feito desejar isso um dia. E quanto à isso, ela também recusava-se a aceitar.
        O céu já aparecia claro quando se deu conta. Levantara da cadeira para se deitar. Deixava-lhes um amontoado de cartas, bilhetes, e por fim, uma nota, a qual escrevera por último. Resgatara seus comprimidos para dormir de um pote jogado ao chão, junto à restos de velas derretidas na madeira e roupas há muito sem lavar, espalhadas pelo quarto. Pegara a garrafa e engolira os comprimidos com um só gole. Assinara agora a última nota que deixara em cima da escrivaninha, onde dizia: "Eu só procuro paz de espírito. Espero que hoje a encontre. Senão, que os deuses me ajudem, irei de encontro ao inferno que me espera, pois o que reside em minha mente já se encontra deveras cansado de minhas lamentações. Desejo-lhe paz, quem quer que seja que esteja lendo isso agora. Me desculpe pela bagunça. Adeus, Allie."
        Passaram-se cinco dias até notarem o cheiro putrefato que exalava de dentro do quarto. Jazia ali uma mulher aparentemente jovem demais para exibir os olhos que, agora, sem vida, fitavam o teto, com um pesar que doía a alma de quem os visse. Encontraram-na agarrada a uma folha de papel, não a nota que escrevera, mas uma carta que, aparentemente, era dirigida à ela. Talvez a única, em meio a tantas outras. E nela se encontravam as seguintes palavras: "Nunca perca a sua essência." Ninguém entenderia o significado. Como haveria de entender? Mas ela entendeu, principalmente as entrelinhas. "Bav" era a assinatura. Apelido carinhoso que um dia ela o colocara. "Bav, o Intruso", que transbordava palavras que quebravam o silêncio da noite, invadindo-a como ninguém jamais o fez, e ia embora com a mesma rapidez com que chegara. Ela o detestava por isso, mas entendera o recado. Agradeceu-lhe silenciosamente, e por fim, se fora. E levara contigo as palavras, tanto suas como dele, para um vazio eterno.

Os olhos e as palavras

        Allie se retorcia na cama, à procura de palavras. "O que será que existe ainda para que esses sonhos continuem?" - Nada, ela respondeu a si mesma. Tudo o que existia em sua mente a fazia perceber o quão errada ela parecia. Mas em que confiar? Nas palavras ou no que jazia dentro de seu coração?
        Ela voltava a fitar a parede em buscas de respostas. Uma lágrima pusera-se a cair em torno de seu rosto. Ela lembrava de tudo - daquele dia em que quase tombou na sala de aula em frente à todos os colegas de classe quando ele a puxara a cadeira, e como quase caiu quando correra escada abaixo a seu encontro para que lhe xingasse e tentasse manter sua pose brava, coisa que nunca conseguia fazer quando algo se relacionava à ele. Lembrara-se do dia fatídico naquele gramado, enquanto era observada por olhos curiosos enquanto se mantia agradável e tranquila ao seu lado, e então pusera-se de pé e lhe mordera o trapézio, marcando-lhe com os dentes, onde dali algumas horas se apresentaria uma mancha em forma de nebulosa, que duraria semanas, e parecia orgulhosa de tê-lo feito, principalmente quando a via mudando de cor, semanas depois, enquanto o abraçava, deitada na carteira logo atrás dele. Seu perfume era inconfundível. Anos depois, quando já não o encontrava mais, percebera isso quando alguém passara ao seu lado com o mesmo cheiro. "Eu ainda me lembro", notou. Lembrou-se do dia da sala do piano, quando encostara a cabeça em seu ombro e parecia haver apenas eles e a escuridão ao seu redor, pesando-lhe a alma, quando percebera que o que mais queria já lhe acontecia, ali, descansando ao seu lado. Outra lágrima pusera-se a rolar. Ela não sentia mais aquilo, mas alguma sombra do que um dia fora um sentimento pousava-lhe os pensamentos.
        Os sonhos, onde corria a seu encontro para um abraço ou até mesmo aquele em que ela era alvo de chacotas e apontada como alguém acusado de traição, lhe pesavam demais. Doía. Mas ela nada dizia, apenas sentia a angústia subir-lhe a garganta e a raiva tomar conta. Era mesmo raiva, ou nela encondia-se dor? Ela não sabia a resposta. E talvez, nem quisesse saber. Ela percebera que se soubesse, o peso lhe tiraria as forças. Fechou os olhos e se pôs a lembrar as palavras, afiadas como faca. "Queria poder esquecer-me tão facilmente das coisas como o faz." Mas, até hoje, nada esquecera. Anos se passavam, pessoas os moldaram como diferentes seres, embora ele nunca pareceu mudar. Já ela, pensava ser outra pessoa. Outros vínculos, outras memórias, outro destino. Ele, a criança que sempre fora. Também com outro destino, mas a criança nunca mudara. Incoerente, de fácil sorrisos, e confusa. Por vezes, até aparecia-lhe um resquício de rapaz sonhador, com palavras rudes e de caráter duvidoso, convidando-a para uma noite a sós. Mas a criança permanecia, firme e insistente. Ela temia que assim o fosse pro resto da vida. Pobre rapaz, pensava. Pobre rapaz que permanece nas memórias.
        E assim adormeceu, ela e a criança que lhe fazia saltar o peito. As lágrimas se foram assim como apareceram. Sem notar. Mas a dor ainda gritava, embora ela fingisse não ouvir. Caso contrário, como adormeceria? Como o teria feito em tanto tempo? A dúvida lhe fizera criança novamente. A mulher que sonhava parecia distante agora, embalada no sono. Mas as palavras permaneciam acordadas. "Queria poder esquecer-me tão facilmente das coisas como o faz."
 

© 2009Dead Souls | by TNB